16 de abr de 2011

Eram fortes, agudos, longos. Eram os gritos mais horripilantes que já ouvi. Potentes como trovão de longe se podia ouvi-los. Logo assustou e chocou a todos. Seguidos de pedidos de socorro e a Deus se uniu a móveis quebrados. Eram caixas de madeira, vidro estilhaçados, pedaços de uma coração já despedaçado. Não se sabia se aquela jovem estava apanhando, morrendo ou simplesmente gritava por súplica, desespero. Só se ouviam os gritos. Aos poucos, quem ouvia tal tragédia foi se tornando ator daquele espetáculo e as mãos começavam a suar, dedos a tremer, olhos enchiam de lágrimas... De repente cessou-se ... tão profunda que não se distinguia se era apenas calmaria ou um adeus.

16 de mar de 2011

Abandono

Desde 05/08/2010 que não escrevo nada aqui. E os motivos são os mais simples e notáveis possíveis: Falta de Motivação.
Hoje sem nada pra fazer e ciente que mto provável ninguém lerá isso, uso o blog como uma espécie de diário, só pra registrar aqui o quanto o convivío com as pessoas me tornar um cara mais amargurado e fechado, cru de coração e sentimentos.

5 de ago de 2010

Um sonhador.

Sempre no mundo da lua
Perdido nos próprios pensamentos
Ando sonhando...
Inventando cenas,
Desenhando suposições.
Talvez um dia eu realmente me conheça como tal sonhador que sou,
E descubra que na verdade não desejo viver na realidade...

26 de jul de 2010

Histórias de Edgar - parte IV

Histórias de Edgar - parte IV
Abril de 2006

Não eu nunca tinha beijado ainda. Salvo as laranjas, maçãs e copos com gelo.
Nessa fase da minha vida eu não era nem bonito nem feio, simplesmente normal. Diferentemente de Felipe que desde que eu me entendia por gente era um dos garotos mais belos da turma. As meninas do colégio faziam fila e até disputavam a atenção dele. Não q eu o inveja...mas no fundo sentia um ponta de ciumes por ñ ser comigo.
Entretanto as coisas mudaram pro meu lado a partir de quando conheci Clarisse, a irmã mais velha de Felipe. Eu até então com tantos anos de amizade ñ sabia que Felipe tinha uma irmã um pouco mais velha q ele morando com outro estado com o pai. (seus pais eram separados desde sempre.)
Quando eu menos esperava Clarisse havia se mudado para nosso colégio, duas séries a frente da minha. Era uma garota incrivelmente fascinante. Tinha a pele clara, sem espinhas nem manchas, cabelos ondulados castanhos e brilhantes, assim como seus profundos olhos. Além disso, tinha um corpo de deixar qualquer um de boca aberta.

Assim que Felipe a apresentou para mim gostei da menina. Simpática, engraçada e inteligente. Mas sabia que ñ teria chances.
Engano meu! Alguns meses depois lá estava eu todo serelepe dançando, no aniversário de uma amiga em comum, com Clarisse, prestes a dar finalmente meu primeiro e tão esperado beijo. e aconteceu. Até hoje me pergunto o q ela viu em mim naquela época. E até hj ele mente pra mim dizendo q eu era charmoso. não sei se a beijei bem, mas beijei. E por alguns instantes tive a sensação de sair do ar e era maravilhoso.
Logo em seguida descobri que Felipe estava namorando com Karen. Apesar de ñ gostar de seu jeito enjoado e fresco de ser, estava feliz por meu amigo.
Eu também me deu bem nessa história, sempre saiam Felipe com sua namorada junto com a irmã e claro que ela precisava de companhia, ou seja, eu! R claro que sempre acaba rolando beijos e mais beijos. Os passeios eram contínuos, bares, lanchonetes, parques. Eu estava começando a gostar de Clarisse. Até que num bela dia ela (sim, ela) me pediu em namoro. A princípio fiquei confuso mas depois percebi que na verdade eu já a namorava hã muito, só ñ tinha percebido.
A partir dessa época eu e Felipe começamos a passar mais tempo juntos enquanto nossas namoradas também começavam a ser mais amigas. Era incrível. Eu e Felipe parecíamos irmãos. Ríamos, brincávamos, discutíamos, bebíamos, começamos até a fumar uma bola de vez em quando.
Tudo estava maravilhosamente perfeito até quando fiquei sabendo que Clarisse voltaria a morar com o pai.
Era meu fim.

Para ler as outras histórias:

Parte I - Parte II - Parte III



21 de jul de 2010


São só medos e indagações q todos nós temos,
Sou apenas mais um homem amedrontado menino como todos nós somos...

7 de jul de 2010

Colecionador de lágrimas

Alto, corpulento, rosto rude.
Típico colecionador de lágrimas.
De alegria, de tristeza, medo e de esperança.
não importava o tipo,
Sua paixão e sina era simplesmente colher lágrimas.
Acreditava que nestas estavam contias as mais puras emoções.
Com seus frascos coloridos
Saía aldeia a fora procurando lágrimas,
caçando almas...

* inspirado em trecho de A Cabana

23 de jun de 2010

Tirinha especial Copa


* clique pra ampliar